O Poeta

Ed de Alexandre Pagniozzi Gonçalves

Aos 08 de agosto de 1967, estava nascendo nesse mundo o segundo filho amado de Palmira Pagniozzi Gonçalves e Sydney Gonçalves Santoro, Onde Batizaram o menino com o nome de Alexandre Pagniozzi Gonçalves.

Embora as dificuldades de meus pais, na criação dos 6 irmãos, fomos educados com  humildade e respeito ao próximo, aprendemos o fundamento da partilha, e amor entre 0s irmãos.

Fiquei maior de idade, fui conhecer o mundo e as pessoas que pude conhecer ao longo dos anos.  No ano 1991 casei e tive dois filhos lindos, o Pablo e a Thais, motivo de muitas alegrias, alguns anos depois divorciamos.

Alguns anos depois, conheci a mãe do meu caçula, meados do ano de 2010, meu filho Felipe, meus filhos, mas velhos cresceram e se casaram, e então minha filha me deu o maior presente que um pai pode esperar. Minha linda netinha Lavínia.

Só tenho a agradecer a Deus por todas as conquistas e pessoas maravilhosas que passaram na minha vida e permitiram hoje eu ter uma bela história a contar.

Obrigado Deus por tudo,

Alexandre

Perdão meus filhos Pablo e Thais.

De junho de 2007 até junho de 2010, fora o momento em que havia tentado o suicídio houve um período que chamo de momento negro de minha vida, ocorrido durante os três consecutivos anos. Neste período percebi que eu vinha me fazendo de vitima das circunstancias e punindo literalmente todos a minha volta, por não aceitar o que aconteceu comigo há alguns anos atrás.

Hoje após uma reflexão do que havia acontecido durante este período, eu percebi o quanto fui ingrato com meus filhos mais velhos. Passei muito tempo pensando que eu havia cuidado deles como pai… Mas na realidade foram O Pablo e a Thais que cuidaram de mim, eu estava movido pela dor da perda. Com excesso de piedade de mim, não permitindo que ninguém se aproximasse de mim.

Por muito tempo eu achei que havia cuidado deles, o Pablo com quatorze anos e, a Thais com dez anos tiveram que se tornarem adultos e assumirem as responsabilidades da casa, porque eu em meu excesso de piedade… Dor… Ira… Não via quanto mal fiz aos meus filhos naquela época…

Não sei se poderei recompensar algum dia o que meus filhos fizeram por mim, sei que estava em depressão, cego pela dor que sentia na alma, mesmo nos momentos de crises, nas idas e vindas ao hospital por doenças causadas pela separação. Acredite naquele período desacreditei de tudo… Só existia a dor e remédios controlados para aliviar a dor.

Pablo e Thais, eu sei que não posso mudar aquele momento negro da minha vida, apenas posso pedir perdão por ter sido fraco, e ter demorado tanto para me reencontrar. Obrigado por me amarem tanto e não terem me abandonado naquele momento. Amo vocês do fundo da minha alma.

Alexandre
12/01/20

Essa é minha história…

Desde cedo eu aprendi… E… Aos 10 anos, eu com meus irmãos tivemos que trabalhar para uma bicicleta poder ganhar.

Na rua com uma pequena caixa de sorvete saíamos para vender, na ilusão dessa bicicleta poder ganhar.

Quatro anos foram exatamente que tivemos que trabalhar, para o dinheiro ajuntar, e, enfim a bicicleta comprar.

Em uma infância perdida com a esperança da bicicleta tão desejada descobrimos que era necessário trabalhar.

Hoje, muitos anos passaram, e, me fortificaram com o saber, que para alguns vem fácil, e os outros é preciso conquistar suor e dedicação.

Essa é minha história…
Alexandre Pagniozzi Gonçalves

Poeta
by@xandy
Ed verão

%d blogueiros gostam disto: